quarta-feira, 1 de maio de 2019

Facebook reprime testes de personalidade para evitar vazamentos de dados

O Facebook está dando pequenos passos para evitar vazamentos de dados em sua plataforma e pode não mais permitir os famosos testes de personalidade, tão "amados" por todos.

fonte: The Next Web

Em um novo post publicado semana passada, o diretor de gerenciamento de produtos da empresa, Eddie O'Neil, escreveu que estará submetendo aplicativos com “utilidade mínima”, como quizzes ou testes de personalidade, a um maior escrutínio e “podem não ser permitido na plataforma”.

E também aproveitou para dizer que, a partir de ontem, 30 de abril, começou a remover o acesso de desenvolvedores terceirizados a várias APIs antigas. Além disso, os aplicativos também serão restritos para solicitar dados que não melhorem diretamente a experiência do usuário dentro deles.

Aplicativos com utilidade mínima que fornecem previsões, avaliações ou saídas semelhantes para o usuário podem não ser permitidos na Plataforma. Por exemplo, aplicativos que fornecem (ou reivindicam a fornecer) usuários com avaliações de personalidade, atributos pessoais, características de caráter, tendências comportamentais ou cuja funcionalidade principal envolve previsões sobre quem o usuário é, podem não ser permitidos”, conforme a versão revisada da Política da plataforma.

Além disso, também impedirá os desenvolvedores de acessar os dados do usuário se uma pessoa não tiver usado ou acessado seus aplicativos nos últimos 90 dias.

Observe que a postagem no blog não diz quem define quais aplicativos vêm na categoria "utilidade mínima" e o que não é. Também não trata de preocupações relacionadas a dados que já foram coletados por ofender desenvolvedores de aplicativos de terceiros.

As atualizações necessárias para a plataforma de desenvolvedores vêm mais de um ano depois que a rede social revelou que uma empresa de consultoria política britânica, a Cambridge Analytica, acessou indevidamente informações pessoais de até 87 milhões de usuários sem o seu consentimento.

Os dados foram coletados através de um aplicativo de teste chamado “thisisyourdigitallife” desenvolvido por Aleksandr Kogan, professor da Universidade de Cambridge, que foi pago pela extinta empresa de mineração de dados para adquirir as informações coletadas do usuário para criar perfis eleitorais para a campanha Trump durante as eleição presidencial americana em 2016.

O escândalo de dados corroeu consideravelmente a confiança do público no Facebook, com até 54% dos adultos dos EUA ajustando suas configurações de privacidade em resposta, de acordo com uma pesquisa do Pew Research Center realizada no ano passado.

As atualizações, embora não correspondam a muito, são um passo bem-vindo no sentido de abrir um caminho nessa lacuna de confiança.

fonte: The Next Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pessoal, comentem, críticas e elogios serão bem aceitos. E eu respondo, posso demorar mas respondo. Esse velho lobo do mar tarda mas não falha!!!!

Leia antes a minha Política de Comentários.

Se quiser deixar o link de uma postagem sua, utilize o código abaixo trocando o que está escrito em letra maiúscula:

<p><abbr><em><strong>SEU NOME</strong> - último post do blog... <a href="<strong>LINK-DA-POSTAGEM</strong>"><strong>TÍTULO DA POSTAGEM</strong></a></em></abbr><p>

Artigos recentes

Related Posts with Thumbnails
Google