quarta-feira, 17 de março de 2010

Um filme indiano, prato cheio para certas vacas sagradas!

Em algumas escolas da prefeitura e do estado,tem rolado nas reuniões de professores um filme indiano* que fala sobre um menino, em seus 8 ou 9 anos, que tem uma dificuldade de aprendizagem e que mais tarde é diagnosticado como um disléxico, por um professor substituto cujos métodos de ensino diferem do tradicional que foi apresentado quando o menino estava na escola pública e depois acabou sendo levado pelos pais para um colegio interno.

Para pessoas sensíveis, o filme é realmente um dramalhão que faz à todos chorarem, ao presenciar a dificuldade do garoto em entender comandos mais simples dados tanto pelos pais quanto pelos seus professores.

O filme é um prato cheio para que certas vacas sagradas** possam despejar seus conhecimentos pseudo-pedagógicos em cima de professores que, de acordo com o governador do estado, não sabem dar aula, são incompetentes por tirarem zeros nas avaliações de mérito e pelo péssimos resultados que os alunos tiveram no Saresp. A maioria dessas vacas pedagógicas nunca entraram numa sala de aula ou se entraram, acabaram logo galgando degraus dentro da diretoria de ensino.

Em primeiro lugar, o filme mostra com o referencial no menino, a dificuldade que ele sentia em entender as operações mais simples e o modo de como ele enxergava seus professores e o mundo em volta dele, que não parecia se encaixar em seu próprio mundo. Em sendo assim, é claro que o filme emociona, pois pega muito pesado nestas questões.

O problema é que o filme quer passar que toda a sociedade está errada e que a situação do moleque deveria ser entendida por todos... Hellooooo! Calma aí, nenhum professor sabe como lidar com essa doença, que é um tipo de retardamento mental. Não somos preparados para isso. Estudamos para lidar com alunos normais.

Desculpem a minha insensatez, mas colocar uma criança com esse histórico no meio de uma classe com mais de 40 alunos, só estará prejudicando mais e mais ela, pois temos a tendência de empurrá-la anos após ano, e nenhum resultado bom pode acontecer. Crianças especiais tem que ser tratadas em locais adequados, com profissionais que saibam como lidar com esses problemas.

Todos sabem o quanto odeio o jeito que a palavra inclusão é colocada aqui e ali. Não funciona. Eu mesmo NÃO sei como lidar com esse tipo de aluno (nem meus colegas), e só me resta ficar dando nota para ele passar, essa é a pura realidade. Querem me malhar? Os comentários estão logo abaixo.

Esse filme parece que não passou em nenhum cinema por aqui e nem foi lançado em DVD, a ironia é que ele foi e está sendo baixado da internet por vários coodenadores das escolas paulistas... Uau, estão comentendo um crime de violação dos direitos autorais(nome chique!).

Bem, eu dormi nas reuniões em que esse filme foi passado, nem sei qual é o seu fim e nem quero saber. O que mais me importa é saber se o governo vai rever e mudar essa malfadada legislação educacional que acabou com o ensino em São Paulo. Acabando com a reprovação e no fim, chamando à todos nós de incompetentes, isso sim é o fim da picada.

* Pesquisando na Internet descobri que o nome do filme é "Taare Zameen Par - Every Child is Special (Como Estrelas na Terra - Toda Criança é Especial)", produzido e dirigido por Aamir Khan, um diretor indiano que recebeu o maior prêmio do cinema indiano, o Filmfare Awards. o filme foi lançado no final de 2007.

** O termo "vaca sagrada" peguei emprestado por um colega de português que relaciona as pedagogas da secretaria da educação com as vacas, deusas intocáveis lá na Índia. Qualquer outro entendimento é por sua conta e risco.

19 comentários:

  1. Meu caro amigo professor, concordo contigo e com a argumentação exposta. Concordo mais ainda quando fala que não fomos preparados para lecionarmos para alunos com necessidades especiais, pricipalmente essas que exigem uma atenção maior. Não que não seja possível olhar para os alunos considerando suas idividualdades, mas no pacote que nos é entregue, são tantos os cordéis que nos manipulam, são tantos os discursos empolados que chega a ser impossível preparar-se para tal trabalho. estou enojado com o que tenho visto e sair dessa barca está nos meus planos mais urgentes.

    P.s.: sim, sou um professsor despreparado, desmotivado, mendigando um aumento que julgo merecer pelos serviços prestados dia-a-dia nessas escolas nas quais qualquer ser que me condena por falar assim não trabalharia.

    ResponderExcluir
  2. Cidão:
    Dou o maior valor aos professores. Sejam professoares de mátemática ou de outra matéria qualquer. Sim já fui professora e adorava minha profissão.
    Nunca dei aula para alunos especiais e nem vi o tal filme. Se for o caso, penso que professores precisam sim de um treinamento. Sem ele fica mais dificil. Como você mesmo disse, seu treimanto foi para dar aula para alunos normais.
    Nem vou me estender mais sobre o assunto sobre pagar mal. Isto não muda nunca. Por que será?

    ResponderExcluir
  3. Eu não vou comentar o conteúdo do texto, pois não sou professor e não tenho argumentos que me auxiliem nisso. Apenas gostaria de dizer que o início da disseminação desse filme iniciou por mim e por algumas outras pessoas em alguns cantos do Brasil. A ideia seria não só transmitir a mensagem dele, mas também criar um público.

    Temos um abaixo-assinado pedindo pela vinda oficial desse filme para cá, já que nunca nenhum filme indiano pisou em solos brasileiros e esse, se viesse, seria muito bem recebido. Baixar filmes na internet não é crime; crime é comercializá-lo. Taare Zameen Par jamais teria seu público garantido no Brasil não fosse o esforço que estamos fazendo.

    Eu disse que não comentaria o conteúdo do post, mas acredito que o que o filme propões não é que as crianças disléxicas devessem permanecer em escolas normais, sobretudo nas públicas, mas sim que na essência de cada criança há uma enxurrada de potenciais que são recorrentemente desprezados, por um problema que é, sim, obviamente social. A estrutura educacional do mundo de hoje transmite conteúdos porque se espera produtividade - e isso é social, é uma escolha histórica, considere-se isso um problema ou não. O que o filme mostra é que, em alguns casos, isso é um problema, mas que pode ser contornado. E ponto.

    Abraços,

    Ibirá

    ResponderExcluir
  4. Bauru: Faço minhas tuas palavras. Perfeito!

    Anny: O problema pior é que eles jogam esses alunos sob a égide da inclusão social. É um crime. Tenho mais de 40 alunos por sala e nem dou conta de memorizar seus nomes. É uma correria, de uma escola para outra.

    Ibirá: Concordo contigo, mas pensa bem, não é colocando esses alunos numa classe superlotada com uma legislação educacional falha que o problema será corrigido. É isso que estão fazendo em São Paulo.
    Essas crianças necessitam de tratamentos especiais com profissionais da área. As escolas pública, com certeza, não são esses locais apropriados.

    ResponderExcluir
  5. Não sou contra os professores, e concordo com o comentários destes, não foram e não estão preparados para receber nas salas de aulas a diversidade de alunos que a Inclusão prevê.

    Faço uma sugestão:

    Que se dê a união dos pais e professores deste alunos, e juntos entrar com uma representação no MEC, e cobrar deste Ministério suas obrigações que não vem sendo cumpridas.
    Urge revisão na grade curricular dos cursos de formação dos professores, o que não pode ocorrer, é esses alunos ficarem prejudicados.
    Sou mãe de um disléxico e o filme a que se referem não é dramalhão, mas a realidade de muitos, dislexia tem graus de comprometimento.
    Se desejarem se unir aos pais, deixem o recado aqui que posto meu contato.

    ResponderExcluir
  6. Bem,como mãe de um DISLÉXICO e TDAH não usarei termos técnicos como os demais, usarei expressões simples e que faz parte da minha experiência de vida c/meu filho.

    Só quem tem filhos c/os transtornos vai entender o que eu sinto e vivo diariamente, tanto dentro como fora das salas de aula.

    Acredito que não seja esse o s/caso, senão não falaria metade do que falou aqui.

    Dramalhão é o que nossos filhos vivem dentro das escolas,sendo rejeitados, rotulados,desprezados e ridicularizados.

    E o m/filho não é de escola pública, mas sim particular, então onde está o problema?


    Só concordo c/você quando se refere a um aluno especial (E NÃO RETARDADO MENTAL) em uma classe c/40 alunos, que é o que acontece no momento c/o m/filho, onde ALGUNS professores como é o s/caso despreparado,estressados,
    mal-humorados, e o pior; Preconceituosos que são, e que ainda temos que pagar todos os meses para dar nota e empurrar esses alunos NÃO p/o ano seguinte, mas SIM p/o mundo dos incapazes, frustrados, depressivos, desempregados, marginalizados , viciados, etc.

    Como conseguir qualificar a s/classe, se você não teve um pingo de sensibilidade ao chamar
    o m/filho de RETARDADO MENTAL e ainda conseguiu a proeza de dormir diante de uma preciosidade daquela?

    Talvez se fosse um show de rock qualquer com aquelas letras contendo um "profundo teor cultural", certamente iria permanecer desperto.

    Ah! Já ia esquecendo, enriqueça um pouco mais o s/currículo e procure rever o que de fato é um RETARDADO MENTAL.

    Pois m/filho foi avaliado durante toda uma tarde, em um local que acompanha os chamados por você e
    pela maioria dos s/colegas como
    "retardados mentais", e o resultados dos teste de QI dele foi segundo vários profissionais ligados a saúde mental como tendo um QI ALTO.
    Detalhe: O resultado do QI não descartou o diagnóstico dos défictis que ele possui.

    Então, o que realmente é considerado um RETARDADO MENTAL?

    Vocês podem e DEVEM sair da profissão, será menos um p/massacrar nossas crianças, e desejo de coração que tenham pelo menos um na família que passem pelo mesmo problema que m/filho passa. Pois Graças a Deus o transtorno é democrático e não escolhe classe social!

    É lamentável e vergonhoso ler a forma como se referem aos nossos filhos. E vindo de professores!

    Mas nem tudo está perdido, pois
    temos algo em comum;

    Também sou sincera ao extremo!

    ResponderExcluir
  7. Ebraga e Sônia: O meu objetivo ao escrever este artigo foi mesmo criar polêmica e mostrar a realidade que acontece nas escolas. Como essa legislação atual é falha, e sim, praticamente somos obrigados a dar nota para passá-los de ano.
    Nós, professores, estamos sim despreparados, estressados e mal-humorados por uma política que só vê números e números, uma categoria cujo salário vem sendo arrochado há mais de 12 anos. Temos culpa no processo? Não nego isso, mas a população não enxerga o que vem sendo feito na educação, daqui de São Paulo e acaba comprando tudo que o governo fala.
    É hora da comunidade se levantar contra isso, antes de chamar os professores de vagabundos, despreparados, estressados e mal-humorados, procurem tomar conhecimento do que acontece na Educação.
    A Ebraga fez uma sugestão importante. É hora da comunidade realmente se unir para exigir uma educação de qualidade.
    Quanto a mim, eu não preciso comprovar a minha competência de quase 20 anos no ensino particular(no mesmo colégio) e 12 de estado, portanto eu devo valer alguma coisa.
    Para finalizar, criei a polêmica, e me sinto satisfeito pois cumpri meu dever. Que a sociedade tenha agora a palavra.

    ResponderExcluir
  8. O problema da Educação não ocorre apenas no Estado de São Paulo reduzir o problema a um único estado tem conotação politica e EDUCAÇÃO NÃO DEVE TER ESTE OBJETIVO "POLITICAGEM".

    O problema afeta todo o Brasil, então é problema do MEC, temos que cobrar do MEC.

    ResponderExcluir
  9. Caro Professor,

    Infelizmente temos que conviver com profissionais como vc na nossa caminhada como pais de alunos disléxicos!Eu graças a Deus até hj tive sorte, só passei por professores bons, uns mais que outros, mas no geral todos tentando ajudar.
    Vc deveria se informar melhor, antes de postar tanta besteira e ofender e magoar tantas pessoas tão gratuitamente.
    Dislexia não é uma doença e as crianças com esse transtornos tampouco são RETARDADAS MENTAIS, vc é que deve ser.
    Meu filho, por exemplo, apesar da sua dislexia(ele tem um grau pequeno) é um bom aluno, principalmente em matemática e esse bimestre teve a segunda maior nota da classe.
    Pq essas criaças devem receber mau tratamento? pq não devem ter um olhar diferenciado?
    Nós todos somos tão diferentes em tantos sentidos, pq academicamente temos que ser todos iguais, aprendermos todos da mesma maneira????
    Em pleno século XXI e em plena globalização, isso mais parece discurso da era medieval!
    Se modernize professor, abra sua cabeça e acima de tudo, tenha compaixão e amor na sua profissão!!!!
    Cláudia Lage
    (mãe de um disléxico de 10 anos)

    ResponderExcluir
  10. Professor!
    Parece-me que é um homem culto e inteligente, verdadeiro e sincero, mas você destruiu toda a razão que tinha ao escrever do modo que escreveu e colocando daquela forma a sua sinceridade e seu parecer sobre um filme que ninguém é obrigado a assistir e nem a copiar e nem fazer o que ele diz, é simplesmente um filme que para muitos não é um dramalhão como colocaste, mas que retrata uma vivencia que muitos estão passando.
    Quando usou terminologias ofensivas e disse que pegou emprestado, creio que somente queria chamar a atenção, ou criar mais uma polêmica e estar com raiva e indignado com tudo que tem visto e ouvido eu não tiro a sua razão. Chega!
    Mas para algumas pessoas que lêem e “cada um entende como quer por sua conta e risco”, não passa de uma agressão e um vandalismo na palavra e será que o objetivo que queria com isso foi alcançado? Acredito que queria como disse provocar uma mudança de atitude é o que me pareceu, que reflitam, pensem e façam, não lhe tiro a razão de que certos educadores não passam de demagogos e um bando de mentirosos e que não estão cumprindo o que eles dizem, mas não era necessário usar de uma cultura para atingir a outra e você sabe do que eu estou falando.
    Sei também que os professores passam por vários problemas em termos de poder desempenhar seu trabalho, mas não justifica em nada o que esta ocorrendo na classe de professorado em questão de dizer que não estão preparados para essa tal “inclusão” e dizer do acumulo de tarefas, que o número de alunos em sala é elevado, e não poder exercer de forma digna a sua profissão a qual estudou e muito com um salário abaixo do mercado entre outras razões, diria que vocês aceitaram isso e essa inclusão porque quando começou disseram não queremos não estamos pronta para isso ou nos falta conhecimento e unidos quem seria contra? Pense nisso!

    ResponderExcluir
  11. Tenho visto que a própria classe dos professores não é unida e não lutam como deveriam lutar para melhorar as condições de trabalho num bem comum, vejo que reclamam, e que o salário não condiz com a profissão, mas na hora H de se unirem e lutarem acabam não tendo essa união para ganhar o que é justo para desempenharem bem as suas funções e um ajudar o outro.
    Vamos nos ater no comentário que é do filme e da inclusão pelo fato estarem passando isso seja para a conscientização ou pelo fato de quererem mostrar um trabalho, seja pelo motivo que for espero que esteja dando resultado para alguns e estes estejam mudando a visão que eu acho que é esse objetivo e não simplesmente provocar só lágrimas e depois mais nada, espero, creio que o importante é saber que:
    Inclusão já completou 20 anos
    Cursos de especializações têm aos montes
    Ser bom professor é ser um bom profissional
    Acima de tudo...ter uma classe unida e lutar para melhorar os direitos de todos é o objetivo.
    Quer melhorar? Quer fazer a diferença? Não coloque mais desse jeito a sua escrita e fala como colocou... se você estivesse no lugar das vacas sagradas como você disse emprestado de um colega, pense qual a diferença que você faria no lugar delas?? Entraria no sistema e no esquema?? Seguraria seu emprego já que ninguém da classe de professorado é unida “um por todos e todos por um” e faria o mesmo? É fácil falar e criticar querer chocar os outros, mas fazer a mudança que precisa ser feita quero ver alguém fazer, pois precisa ter coragem para agir e assumir o que fala.

    Será que estas não estão na sua inocência ou na ignorância querendo o melhor? Tentando fazer o melhor?? Se tem erros...tem sim de monte...falta uma legislação que atenda as crianças e também falta políticas publicas que atendam os professores em seus direitos e creio que ajudaria muito não só os professores mas as crianças também.
    Lutem então por salas com menos alunos, lutem contra essa inclusão desumana, lutem por melhorias no ambiente de trabalho e um salário digno, lutem pela qualidade de ensino.
    Salvem a educação e a sua profissão, mas não julgue essas crianças com palavras que usou e nem seus colegas, chocar adoro isso, mas quem choca é a galinha! Quer se unir a nós? Deixe um recado sou de um grupo de pais que quer lutar pela qualidade de ensino que é dada aos nossos filhos e que atendam as suas necessidades educacionais, e lutamos para que os relacionamentos de professores, alunos e seus pais sejam de bom convívio um respeitando o outro... só isso..a luta é de todos e lutamos com vocês e pela educação.

    ResponderExcluir
  12. Ebraga: Você tem razão, o MEC é responsável, mas o governo de São Paulo resolveu não seguir a LDB em alguns pontos, como por exemplo, 1/3 da carga horária do professor ser fora da sala de aula. Com uma manobra maquiavélica, nosso governador pegou os dez minutos de cada aula(a hora aula no estado é 1 hora, sendo 50 minutos em classe)mais o intervalo agregando-os na conta desse 1/3. Infelizmente tem muita politicagem envolvida sim.

    Claúdia: Eu amo minha profissão mas infelizmente há essa dura realidade. Não sei como está a educação aí no RJ, eu só posso falar do meu estado. Usei palavras pesadas? Sim. Eu escrevo muitas vezes com o coração, irritado, com tanta indignação que há em meu ser.

    Fany: A classe de professores, especialmente na cidade de São Paulo é muito desunida, e para colaborar, temos um sindicato que serve de trampolim para muitos na política. Eu sou daqueles que acredita que nesse momento, apesar do arrocho salarial, aumento de salário deveria ser a última coisa que o sindicato deveria estar reinvidicando, pois o governo junto com a mídia, está massacrando o professor dizendo que é incompetente, que tirou zero nas provas, e como a população comprou a a idéia, todos estão contra nós. O sindicato deveria estar lutando por uma nova legislação educacional, melhorias em toda a estrutura. Aí sim, poderíamos pedir aumento de salário.
    Pedir só aumento de salário é dar um tiro no pé, num momento em que todos estão contra nós.
    Quanto ao termo que usei, pode parecer ofensivo, pode ter dúbia conotação, mas representa muita coisa que há por aí. Não me arrependi de tê-lo usado. Fui grosso? Sim, esse foi o objetivo.
    E eu torno a repetir: a inclusão é uma mentira, é uma desculpa que o governo dá à sociedade para mostrar que está mantendo todos os alunos em sala de aula. Não há critério algum, e toda a carga pesada e negativa chega até nós, professores.
    E eu particularmente, estou muito cansado de ficar esmurrando em ponta de faca.

    ResponderExcluir
  13. "Quanto ao termo que usei, pode parecer ofensivo, pode ter dúbia conotação, mas representa muita coisa que há por aí. Não me arrependi de tê-lo usado. Fui grosso? Sim, esse foi o objetivo."

    Se o senhor professor reconheceu em suas palavras o que disse e relata que ser grosso foi o seu objetivo, sinto muito pelo senhor e seu medíocre modo de ter se expressado e mostrado a sua indignação e revolta com palavras que não deviria ter usado com tais conotações pejorativas, devia rever então o seu propósito e colocar melhor as suas idéias.
    Como o senhor pode criticar algo que nem assistiu?? Fala que os professores são culpados por tudo e que pedir aumento é dar um tiro no pé e que particularmente esta cansado de ficar esmurrando em ponta de faca e que as reivindicações não são atendidas e em sua fala diz que estamos massacrando os professores dizendo que são incompetentes e que nas provas tiraram zero a população não comprou a idéia, mas é um fato, como a desunião de vocês.

    Se um professor não é professor não devia estar em sala de aula e temos visto vários exemplos deles na mídia também cometendo barbaridades e o senhor sabe disso, e dizer que não é apto ou que não estudou para dar aulas aos RETARDADOS MENTAIS, acha que isso é legal de se falar de um individuo e pensar assim deste aluno? Quem são os retardados na verdade se nem a etimologia que foi empregada para descrever um Disléxico foi colocada corretamente e ainda deu um rótulo pejorativo.

    ResponderExcluir
  14. Professor você fala que a população comprou essa idéia, mas você esta contribuindo para outra idéia e nem reparou que em sua fala demonstrou realmente o que pensa da sua própria profissão ao XINGAR de “vacas sagradas” tais colegas suas de trabalho e profissão e foi isso que você fez chamando elas de VACA que aqui no nosso País sabemos muito bem o que é uma VACA e não um animal sagrado e será que sabe a cultura Indiana para relacionar aqui em nosso País com o outro? Desta forma Falou mal de si mesmo e agora vou achar que todos os professores só ensinam merda e que são um bando de retardados mentais pois não sabem o que falam e nem tem interesse em aprender e estudar para se tornar um professor melhor e conseguir fazer a prova e tirar 10.
    Quem choca é a galinha!
    Então fazendo uma comparação que professores que não sabem dar aulas e que vêem seus alunos de um modo pejorativo e que não conseguem passar em uma avaliação e que não tem compostura e ética de professor e estão cansados e sentindo desvalorizados SAIAM DA PROFISSÃO e deixem os verdadeiros mestres ensinar porque de lixo eu já estou cansada de meu filho pegar na escola.

    OFENSIVO?? É FEIO ISSO?? FALAR DESSE JEITO NÃO É?? UMA PESSOA COMO EU PEÇO DESCULPAS A QUEM LER E SEM OFENDER A NINGUEM QUE NÃO MERECE ESSAS PALAVRAS POIS PEGUEI DE UMA AMIGA MINHA EMPRESTADO E ENTENDA QUEM QUER ENTENDER POR CONTA E RISCO PROPRIO...SER PROFESSOR É MAIS QUE UMA PROFISSÃO INFELIZMENTE SER EDUCADOR É PARA POUCOS. PROFESSOR PODE TER AOS MONTES, MAS MESTRES PODEM CONTAR NOS DEDOS. PARABÉNS AOS QUE NO DIA A DIA CONSEGUEM EXERCER SUA PROFISSÃO DIANTE DE TUDO QUE ESTA NA FRENTE E FAZ COM COMPETENCIA O SERVIÇO QUE FOI CHAMADO QUE É DE INTRUIR E PASSAR PARA FRETNE O CONHECIMENTO QUE ADQUIRIU SEM PRECONCEITO OU FALCIDADE A ESTES MEU CUMPRIMENTOS E AOS OUTROS FORA!

    ResponderExcluir
  15. Crazyseawolf
    “Infelizmente tem muita politicagem envolvida sim.”
    Vc.também estaria querendo entrar na politicagem, e porque o corporativismo não permite se revolta? Pois lhe convidei para liderar um movimento de professores e pais comprometidos com EDUCAÇÃO DE QUALIDADE PARA TODOS, INCLUSIVE AOS ALUNOS DE INCLUSÃO, não recebi a resposta que esperava. Apenas CRIAR POLÊMICA NÃO BASTA, ERROU O ALVO.
    “com tanta indignação que há em meu ser”, o Sr. tem o direito de passar toda essa indignação da forma que passou chamando nossos filhos de retardados? Devia ter aproveitado seu tempo e se inteirado do que é dislexia, perdeu a oportunidade única de CRESCER COMO PROFESSOR E COMO SER HUMANO, disléxicos tem QI normal ou acima da média, podem aprender tudo que os ditos alunos ‘normais’ aprendem, mas aprendem de forma diferente, seria um bom aprendizado para o Sr.
    Com todas as dificuldades escolares que os disléxicos são obrigados a vencer sem a ajuda dos professores, seja da rede publica ou privada que nós pais pagamos para prestar um bom serviço, não sendo compreendidos em suas necessidades muitos apresentam quadro de depressão, mas não reagem como o Sr. Saiba outras milhares de qualidades deles que, mesmo com as comorbidades presentes suas características principais é o AMOR e a BRANDURA DE CORAÇÃO.
    Quanto à desunião dos professores, e a casta que sua categoria profissional criou, não vou comentar, a Professora Fany já o fez com louvor.

    ResponderExcluir
  16. CONTINUAÇÃO
    E agora vamos ao principal, VAMOS NOS UNIR PAIS E PROFESSORES, CONTRA O SISTEMA EDUCACIONAL INJUSTO QUE ESTÁ POSTO? VAMOS JUNTOS MOSTRAR NOSSA INDIGNAÇÃO NO MEC, E EXIGIR DESTE MINISTÉRIO A REVISÃO DA GRADE CURRICULAR DOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM TODOS OS NÍVEIS E SEM POLITIZAÇÃO E DOUTRINAÇÃO NA EDUCAÇÃO!
    Uma alfabetização digna que permita a todos concluir a alfabetização de fato alfabetizados, um ensino fundamental de qualidade que permita a consolidação de conhecimentos básicos e tão necessários à próxima etapa de seus estudos, esse conjunto de ações acredito levaria os jovens ao gosto pelos estudos, por conseqüência a disciplina, amenizando assim o trabalho dos professores do ensino médio.

    Aguardo sua resposta à minha proposta, nós pais não desejamos sair na foto, o Sr. terá seu lugar ao sol, e seu momento de fama de forma adequada, ‘A FAVOR DA HUMANIDADE’ como fizeram Martin L.King, Ghandi, Lennon, e tantos outros.
    Também proponho a qualquer outro professor indignado a aderir a causa dos pais, por EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, e principalmente a daqueles que SABEM QUE NOSSA INCLUSÃO É MESMO UMA FARSA, o Sr. professor não criou polêmica, nem nos contou nenhuma novidade, infelizmente!
    FICA O CONVITE, E O AGUARDO DA RESPOSTA.

    ResponderExcluir
  17. Fany: Entendo a sua revolta e nem vou discutir. Respeito a tua opinião e a sua indignação. Espero que toda essa sua fúria pelo o que eu escrevi seja só aqui, porque você não me conhece direito para emitir um juízo de valor. Fui sincero em minhas colocações e é o que eu penso, é a minha opinião e este é um espaço onde jogo minhas idéias. Não saio da profissão porque gosto de lecionar e quero ter condições de trabalho compatíveis com a minha função. Quanto ao termo que usei, já é de conhecimento geral, não cometi nenhum deslize.

    Ebraga: O que eu poderia falar para você eu já disse acima para a Fany.
    Podem discordar ou não da minha opinião, aceito críticas mas quando ataca a pessoa complica.
    E não quero ter lugar nenhum ao Sol, não quero ser mártir. Não quero ser exemplo. Eu só quero, e de novo repito, ter condições melhores de trabalho, e isso só quem pode dar é o governo, no momento em que ele perceber que a educação é a base de uma grande nação.

    Espero que esse assunto seja discutido não do rumo que tomou, e sim, da inclusão social mal-feita, da legislação educacional que se provou ser falha.

    ResponderExcluir
  18. CláudiaLuz- Psicologa e educadora
    Gostaria de dizer ao professor que iniciou essa discussão que o filme em questão é uma obra prima,com fotografias belíssimas, trilha sonora genial e um um tema surpreendentemente bem tratado e que se vc não tivesse dormido teria entendido melhor o que é a dislexia e não chamaria de retardado mental um aluno com esses sintomas já que ele pode ter um Q.I mais elevado que o seu, por exemplo.Enxergar o problema sob a ótica do outro, nos sensibiliza para o problema, nos faz romper preconceitos e nos traz conhecimento e convenhamos "saber" e "conhecer" nunca é demais, saber este,que te fez muita falta no momento de escrever esse artigo,porque tirando o que vc disse sobre a inclusão mal planejada que o governo pretende implantar e isso pode trazer consequências desastrosas para as crianças que precisam de uma atenção especial, todo o resto que disse foi só bobagem.

    ResponderExcluir
  19. @claudia

    Dislexia é um tipo de deficiência mental, e para nós, professores que já temos muitas atribuições, é mais uma que temos que ter sem ter conhcimento ou não ser da área. Eu não sou psicólogo ou psiquiatra. Parece que o professor é obrigado a saber de tudo, menos realmente de lecionar a sua matéria, não é mesmo? Ainda mais com a progressão continuada, nem precisa mesmo saber dar aula, o estado faz isso por você.
    E vou continuar falando muita bobagem, principalmente sobre coisas que me dão indignação.

    ResponderExcluir

Pessoal, comentem, críticas e elogios serão bem aceitos. E eu respondo, posso demorar mas respondo. Esse velho lobo do mar tarda mas não falha!!!!

Leia antes a minha Política de Comentários.

Se quiser deixar o link de uma postagem sua, utilize o código abaixo trocando o que está escrito em letra maiúscula:

<p><abbr><em><strong>SEU NOME</strong> - último post do blog... <a href="<strong>LINK-DA-POSTAGEM</strong>"><strong>TÍTULO DA POSTAGEM</strong></a></em></abbr><p>

Related Posts with Thumbnails
Google