quarta-feira, 16 de maio de 2018

Cientistas conseguem fazer transplante de memória entre caracóis

Uma equipe de neurocientistas da UCLA revelou na segunda passada os resultados de um experimento envolvendo cérebros de caracol que poderia mudar radicalmente nossa compreensão de como as memórias funcionam.

fonte: The Next Web
Ou seja, se o resto da comunidade científica puder suspender sua descrença por tempo suficiente para dar uma séria consideração às ideias do grupo.

Os cientistas, liderados pelo Dr. David Glanzman, extraíram RNA do cérebro da Aplysia, lesmas do mar, e então injetaram no cérebro de outra Aplysia. Segundo o documento dos pesquisadores, isso resultou na transferência de memórias de uma criatura para outra:

"Aqui, é demonstrado que a memória para a sensibilização de longo prazo no molusco marinho Aplysia pode ser transferida com sucesso pela injeção de RNA de animais sensibilizados em ingênuos.

Além disso, uma alteração celular específica subjacente à sensibilização na Aplysia, hiperexcitabilidade do neurônio sensorial, pode ser reproduzida pela exposição de neurônios sensoriais in vitro ao RNA de animais treinados. Os resultados fornecem suporte para um modelo não sináptico e epigenético de armazenamento de memória na Aplysia."

O experimento envolveu treinamento ou sensibilização da Aplysia, dando choque nelas. Quando uma inocente Aplysia recebe um choque elétrico pela primeira vez, ela retrai suas partes sensíveis por alguns segundos. Mas depois de alguns choques, uma vez que se torna sensível à situação, o tempo que ela se protege aumenta para minutos.


Os pesquisadores extraíram o RNA da Aplysia, que se tornou sensível ao tratamento e o injetou na Aplysia inocente. Os resultados foram que as criaturas que nunca experimentaram o choque reagiram como se tivessem sido sensibilizadas quando os cientistas as chocaram pela primeira vez.

Glanzman e sua equipe afirmam que isso indica que as memórias podem ser transferidas através do RNA.

Isso, entretanto, está em oposição a antigas noções de como os cérebros formam as memórias, através da formação de fortes conexões sinápticas entre os neurônios. Embora este estudo não seja o primeiro a sugerir o contrário.

Tudo começou nos anos 60, quando um professor excêntrico da Universidade de Michigan, Dr. James V. McConnell, começou a moer vermes e alimentá-los com outras tênias. Ele acreditava que os vermes canibais receptores ganhariam o conhecimento do falecido.

Incrivelmente, muitos dos seus resultados indicaram que ele estava certo. Evidências de seu estudo (e de outros desde então) mostraram que pode haver algum tipo de transferência de sensibilização entre os vermes.

Infelizmente para McConnell seu trabalho foi muitas vezes ridicularizado e refutado. Alguns cientistas disseram que seus resultados não foram reproduzíveis, e outros apenas disseram que ele era um charlatão. Isso, talvez, seja parcialmente devido ao seu estranho senso de humor.

McConnell, um homem de alguma riqueza, criou seu próprio jornal científico chamado "The Worm Runners Digest". O resumo era uma combinação de pesquisa científica legítima e sátira. Por um lado, publicou artigos reais, como um que mostrava os resultados de seu experimento canibal de tênia. Mas, por outro lado, publicou artigos que foram feitos como piadas, como por exemplo, o quão fortes são as alças de ombro de um vestido de noite.

Foi fácil para os cientistas e colegas dispensarem o trabalho de McConnell. Não só levantou questões éticas, mas a ciência era tão radical que muitos se recusaram sequer a considerar seu mérito. Além disso, a sátira dele mostrou que ele não era um cientista muito sério - assalto.

Seu trabalho foi recebido tão mal pela comunidade científica que se tornou popularizado, não por sua ciência, mas como um conto preventivo sobre fazer alegações extravagantes.

Sua reputação/infâmia tornou-se tão grande que em 1985 um ex-aluno da Universidade de Michigan (que talvez nunca tenha se encontrado com McConnell enquanto ensinava) chamado Ted Kaczynski - também conhecido como The Unabomber , acabou enviando uma bomba que explodiu, resultando em graves ferimentos para McConnell e um assistente de pesquisa.

Especialistas acreditam que Kaczynski foi acionado pelas alegações de McConnell de que as pessoas um dia desenvolveriam suas personalidades e habilidades através da ingestão de especialidades químicas.

McConnell faleceu em 1990, décadas antes de seu trabalho ser validado, pelo menos parcialmente.

Outro neurocirurgião, Michael Levin, continuou o trabalho de McConnell com vermes e publicou um artigo em 2013 que confirmava muitas das ideias de McConnell sobre como a memória das criaturas funciona.

Isso nos leva a um círculo completo até agora, onde, menos de 24 horas após a publicação, Glanzman acha que seu trabalho foi descartado por alguns, apesar de suas incríveis implicações.

Um relatório do STAT indica o mesmo:

"Se ele estiver certo, isso seria absolutamente devastador", disse Tomás Ryan, professor assistente do Trinity College Dublin, cujo laboratório busca engramas, ou os traços físicos da memória. "Mas eu não acho que está certo."

Então, o que significaria se a equipe de Glanzman estiver certa? Se as memórias não são armazenadas nas sinapses, mas estão contidas nos núcleos de certas células cerebrais, seria teoricamente possível “empacotar” memórias e injetá-las sob demanda. Pelo menos em vermes e caracóis; a maioria dos humanos tem cérebros complexos demais para fazer qualquer tipo de suposição de que esse trabalho seja significativo além das coisas viscosas.

Se McConnell, Levin e Glanzman estiveram/estão puxando o fio certo, ainda não se sabe, mas como nossos cérebros formam memórias tornou-se um dos mistérios biológicos mais duradouros da ciência.

O fato de ainda não termos descoberto como os vermes e os caracóis conseguem lembrar o pouco que acontece em seus cérebros mostra que temos um longo caminho a percorrer para descobrir como a memória funciona. Talvez agora seja o momento certo para reconsiderar seriamente as teorias rejeitadas há mais de meio século.

E eu acabei pensando, ou viajando, se um dia as memórias humanas puderem ser transferidas, fará sentido a criação de clones para serem receptáculos dessas memórias e em sendo assim, ter a vida estendida, ou quem sabe obter a vida eterna, em androides!

Ficar assistindo Westworld dá nisso...

fonte: The Next Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pessoal, comentem, críticas e elogios serão bem aceitos. E eu respondo, posso demorar mas respondo. Esse velho lobo do mar tarda mas não falha!!!!

Leia antes a minha Política de Comentários.

Se quiser deixar o link de uma postagem sua, utilize o código abaixo trocando o que está escrito em letra maiúscula:

<p><abbr><em><strong>SEU NOME</strong> - último post do blog... <a href="<strong>LINK-DA-POSTAGEM</strong>"><strong>TÍTULO DA POSTAGEM</strong></a></em></abbr><p>

Artigos recentes

Related Posts with Thumbnails
Google