domingo, 10 de agosto de 2008

Carta para o meu pai



Bom dia, meu pai, que nunca conheci, que nunca vi e nem sei se você ainda existe. Falam muito de você, que tenho seu jeito, seu nariz, mas nunca recebi uma só mensagem de ti, pelo menos para dizer “Como vai meu filho?”, poderia até ser indiretamente, por outra pessoa, mas que desse o ar da graça. Que mostrasse interesse.

Você pode imaginar como é uma criança estar ao lado de seus coleguinhas, vendo seus pais os segurando, abraçando, dando aquele tipo de carinho a qual nunca tive? De acompanhar seus primeiros passos, sua primeira palavra dita, da queda inevitável de uma bicicleta, da formação da sua personalidade, da primeira briga, da primeira namorada... Pois é... Você nunca participou desses momentos, você nunca esteve lá quando eu mais precisava! Você simplesmente se foi... E eu sempre estava te esperando!

Que inveja do Roberto, do Marcelo, do Lourival, do Zé Luís, do Emerson, do Toninho, e tantos outros amigos de infância, que me seguiram até a adolescência. Sim, eu os invejava porque eles tinham pais. Pais enérgicos, atuantes, trabalhadores que sempre estavam presentes na tristeza e na alegria, na dor e na fome. Eles tinham seus pais... E quem eu tinha?

Se eu tenho dificuldades em relacionamentos, se sou insociável, se tenho uma natureza destrutiva ou se tenho essa minha eterna depressão que de algum modo, são decorrentes de sua falta, isso eu não posso dizer nem afirmar, mas aqui dentro, bem dentro do meu peito, sinto algo que me aperta, que me angustia, que me revolta. Meu coração é seco.

Nunca quis seu dinheiro (se é que você tinha ou tem, mas dizem por aí que você é um homem de posses...), nem atrapalhar a sua vida (acredito que você tenha outra família), apenas queria poder dizer ao mundo orgulhosamente que eu também tenho um pai.

Eu nunca tive um pai. Eu não sei o que é ter um pai. Nunca conheci o amor de um pai. E talvez por tudo isso, eu não queira ser pai.

E eu te odeio com todas as forças do meu ser!

Desculpem-me por esse post um tanto quanto triste. Meu coração pedia por isso.

6 comentários:

  1. Cidão, eu entendo bem esse seu desabafo, você não teve seu pai, eu não tive minha mãe. São coisas da vida.
    Não fique triste, você tem muitos amigos que te adoram e eu sou um deles!

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Duzinha, obrigado pelas palavras de carinho e apoio. Para mim é um domingo muito triste! A revolta que sinto é imensa.

    Te adoro muito, beijos!!!!

    ResponderExcluir
  3. Realmente é um texto pesado de se ler, não pelas tuas palavras mas sim pela situação descrita.
    Não serei hipócrita para dizer que consigo imaginar teus sentimentos. Somente quem vive é quem sabe como é. No entanto eu imagino outra situação.
    Creio que pior do que nao ter tido um pai é ter um pai de direito, mas não de fato. Quantas e quantas crianças não possuem pai na certidão, mas pais que nunca estão presentes, que nunca abraçam, demonstram carinho, educam. E muitas dessas crianças devem sentir muito do que vc expressou neste texto, mas talvez seja até pior pois elas ainda tinham uma chance.
    E também creio no seguinte. Que nós sempre podemos decidir como encararemos o que ocorre conosco. Podemos pensar "já que aconteceu comigo, não farei nada para ser diferente", ou então "aconteceu comigo e sei que não foi bom, então farei diferente para os outros". A decisão é sempre nossa.

    []'s

    ResponderExcluir
  4. Nossa, Carlos, muito obrigado pelas palavras. Hoje adulto, fica uma certa revolta, mas consegui vencer. Mas quando criança, a barra era pesada. Minha mãe nunca soube me explicar direito o que realmente tinha acontecido, e aq rebeldia tornou-se parte de mim. Minha mãe faleceu na minha adolescência e nunca pude pedir desculpas por que fiz de errado. Eu culpava a tudo e a todos. Foram tempos difíceis mesmo!

    ResponderExcluir
  5. Cido, nem sei o que te dizer num momento como esse, só posso colocar-me à sua disposição e dizer que te entendo, pois também nunca tive pai. Mas, no seu caso, parece-me que o seu foi quem decidiu sumir de sua vida, já não posso dizer o mesmo do meu. Teve um pouco de fatalidade...

    Bom, qualquer coisa basta dar um grito lá na Lavanderia!

    Abração!

    ResponderExcluir
  6. Juca, obrigado também pelas palavras. Um abração!!! :o)

    ResponderExcluir

Pessoal, comentem, críticas e elogios serão bem aceitos. E eu respondo, posso demorar mas respondo. Esse velho lobo do mar tarda mas não falha!!!!

Leia antes a minha Política de Comentários.

Se quiser deixar o link de uma postagem sua, utilize o código abaixo trocando o que está escrito em letra maiúscula:

<p><abbr><em><strong>SEU NOME</strong> - último post do blog... <a href="<strong>LINK-DA-POSTAGEM</strong>"><strong>TÍTULO DA POSTAGEM</strong></a></em></abbr><p>

Artigos recentes

Linkem me:

Related Posts with Thumbnails
Google